Prevendo impeachment, vereadores de JP pedem à bancada da PB defesa por eleições diretas

Eles decidiram, portanto, se antecipar aos fatos e aprovaram um requerimento que será encaminhado à bancada paraibana no Congresso Nacional

Mais política | Em 18/05/17 às 15h01, atualizado em 18/05/17 às 15h18 | Por Redação
Divulgação
Câmara de João Pessoa

Após um dos donos do grupo JBS, Joesley Batistta, relatar em delação que gravou, em março desde ano, o presidente dando aval para comprar o silêncio do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) - que teve o mandato cassado -, vereadores de João Pessoa já preveem um processo de impeachment se aproximando. Participe da enquete no fim da matéria.

Leia mais notícia de política no Portal Correio

Os parlamentares pessoenses decidiram, portanto, se antecipar aos fatos e aprovaram, nesta quinta-feira (18), um requerimento que será encaminhado à bancada paraibana no Congresso Nacional, pedindo apoio ao Projeto de Emenda à Constituição Federal (PEC 227), que prevê eleições diretas no caso de vacância da Presidência da República.

O pedido é de autoria do vereador Tibério Limeira (PSB). Segundo o parlamentar pessoense, deputados e senadores não têm legitimidade para assumir o cargo de presidente.

“Diante do iminente afastamento do presidente Michel Temer da presidência da república, gostaria que este parlamento se colocasse a favor das eleições diretas, porque o Congresso Nacional não tem a mínima legitimidade de comandar o país”, discursou Tibério. “Os presidentes das duas casas estão envolvidos e citados na Lava-Jato e a maior parte dos parlamentares também está envolvida em casos de corrupção. A saída para esta crise institucional são as eleições diretas. É a legitimação pelo voto popular. Esta deve ser uma bandeira unitária e supra partidária”, acrescentou.

O vereador Bruno Farias (PPS) concordou com o parlamentar, destacou que o país está precisando de uma “insurreição ética” e que os acusados devem presos e punidos, caso se confirmem as acusações.

Milanez Neto (PTB), a exemplo do deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB), sugeriu que a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmen Lúcia, assuma o cargo - ela é a terceira na sucessão presidencial.

A vereadora Sandra Marrocos (PSB) concordou com o requerimento de Tibério Limeira e afirmou que hoje era um dia feliz. Por sua vez, a vereadora Eliza Virgínia (PSDB) e os vereadores Thiago Lucena (PMN), Bosquinho (PSC), João Almeida (SD) e Bispo José Luiz (PRB) discordaram da socialista e afirmaram que este era um dia triste para o Brasil.

“Com todo respeito, discordo da vereadora. O dia do impeachment não foi um dia feliz, como hoje também não é. Acordei frustrado com tudo que vi. Mas a gente não pode confundir frustração com falta de esperança. Precisamos de diretas já, mas pergunto quem seria um representante da gente hoje?”, refletiu Thiago Lucena.
O vereador Marcos Henriques (PT) defendeu Sandra Marrocos e a reforma política. “Entendo a vereadora, ela se alegrou por ver as máscaras caindo. A reforma política tem que ser amadurecida, não me sinto representado por um Congresso que é formado 80% por empresários. O mais importante é que as pessoas sejam punidas”, desejou o petista.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

 

Atenção

Fechar